Coisas que as capas e as orelhas dos livros (não) dizem

Adriana Meis
5 min readNov 22, 2017

Dizem por aí que não se deve julgar um livro pela capa. É uma metáfora usada especialmente para alertar que não devemos avaliar as pessoas pelas aparências. Afinal — e aí vem outro dito popular –, as aparências enganam.

É verdade que as pessoas são muito mais do que a informação que colhemos delas quando temos acesso apenas à sua aparência. E quando precisamos avaliar rápido, adotamos procedimentos que economizam tempo. É por isso que julgamos conforme nossas experiências anteriores, nossos preconceitos, nossas normatizações culturais. Podemos acertar ou errar; mas, principalmente, devemos aprender com o resultado de cada “avaliação”, especialmente para evitar a repetição de deduções que resultaram decisões injustas.

A semiótica discursiva é uma das teorias que estuda os processos de significação — ou seja, que investiga como o ser humano dá sentido à sua vida e ao mundo. E a semiótica considera a aparência como um material bastante válido para o entendimento das coisas. Pode-se argumentar que uma pessoa que disfarça sua aparência está escondendo a verdade. Será mesmo? Se vou a uma festa à fantasia e me disfarço, o personagem que escolhi como disfarce — “Mulher Maravilha ou Mulher Gato?” — pode dizer bastante sobre mim.

Ainda que em sua indiscutível imperfeição (GREIMAS, 2002), é pelo “parecer” que temos alguma aproximação com o “ser” de alguém ou de algo. Mais precisamente, são os procedimentos de construção do parecer diante dos nossos olhos que nos permitem chegar a entender um pouco sobre as mensagens que a pessoa ou objeto, querendo ou não, comunica ao mundo.

As escolhas para composição do parecer são feitas mediante dois procedimentos: tendo em mente aquilo que desejamos ou não comunicar aos outros e utilizando, para isso, os elementos e conceitos disponíveis em nosso repertório cultural. Podemos nunca saber a intenção de alguém, mas podemos “ler” as mensagens que se revelam nas escolhas de palavras, de cores e de formas.

Dito desta forma, talvez possamos sim julgar um livro pela capa. E, neste caso, estou abordando o sentido literal do ditado popular. Afinal, quando nos aproximamos de uma publicação em uma livraria, sem conhecimento prévio do autor ou da obra, é a capa que terá a função de transmitir aquilo que autor e editor acreditam que nos fará escolher aquele livro.

Algum tempo atrás, uma livraria de Curitiba realizou uma ação de troca de agasalhos por livros. Entreguei minha doação e tive direito de escolher alguns títulos. Olhando capas, lendo orelhas e sumários, folheando algumas páginas, defini os que levaria comigo. Mostrei-os à pessoa responsável por autorizar a troca e ela disse: “pelas escolhas que fez, acho que você iria gostar deste aqui”.

Ela apontava para um volume com capa em tons marrons, com a fotografia de um bibelô em forma de lebre sobre uma superfície de madeira; este bibelô e o título do livro eram emoldurados por algumas linhas que simulavam terem sido desenhadas à mão; elas sobrepunham-se à foto e contrastavam com a textura lisa e brilhante por seu estilo mais irregular. Abaixo da moldura, na parte inferior da capa, vinha a citação de uma recomendação positiva de um jornal.

Tinha visto este livro e já o havia deixado de lado. A capa não tinha me agradado. A moldura sobre a fotografia me pareceu uma tentativa forçada de conferir algum caráter de mistério ou enigma, como se quisessem atrair leitores que se interessam por isso, mas sem que isso efetivamente consistisse em um aspecto essencial da obra.

À implicância com os elementos visuais juntou-se aquela dirigida à citação da resenha do jornal. É uma idiossincrasia, mas sempre penso que uma boa obra não precisa ficar dizendo que foi elogiada aqui e ali. A implicância transformou-se em decidida rejeição quando vi que não só a quarta capa trazia mais trechos de resenhas hiperbólicas, como elas também enchiam duas das primeiras páginas do livro!

Passei as páginas de citações e, mesmo assim, não encontrei a ficha catalográfica; ela fora jogada para o final do livro. Em seu lugar, ou seja, logo no início, haviam colocado uma frase-teaser, talvez pensando que isso continuaria mantendo o interesse de quem chegasse até ali.

Juntando todos esses elementos, tive a impressão de que a obra se esforçava demais para passar uma ideia que não emergia naturalmente das construções paratextuais e da capa. Ela tentava desesperadamente agradar, mas a mim essa tentativa causou irritação. Me senti subestimada como leitora. Li os resumos das “orelhas” e da quarta capa, mas não conseguiram me tocar. Os outros recursos haviam me deixado desconfiada. Foi por achar que estava sendo enganada é que deixei este livro de lado.

Não fosse a recomendação da profissional da livraria, minha atitude teria sido, literalmente: “esse eu não quero nem de graça”. Mas, ao contrário do que acontecia com a obra, a indicação pessoal me pareceu confiável. Como eu disse, ela sugeriu depois de ver os outros títulos que eu havia pego. E assim, levei-o comigo.

Talvez para verificar quem estava com a razão — ela ou eu –, não demorei muito para iniciar a leitura. E, no fim das contas, A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal (Intrínseca, 2011), traduzido por Alexandre Barbosa de Souza, é um livro interessantíssimo! De Waal, um importante ceramista britânico, traça a história de sua família desde o século XIX, em Odessa, até os dias atuais, tendo como “fio” condutor um pequeno objeto: a lebre que ilustra a capa e dá título à obra. Esta pequeníssima escultura japonesa, chamada netsuquê, faz parte de uma coleção de mais de 200 peças que, miraculosamente, sobreviveu a viagens pela Europa, Estados Unidos e Japão, a duas guerras mundiais e à dilapidação e ao confisco dos bens de famílias judias na Áustria em 1938.

A lebre com olhos de âmbar é um belíssimo trabalho historiográfico realizado por um não-historiador, que comparou documentos pessoais de sua família a fontes de arquivos públicos e jornais de diversos países. A obra traz muito mais que a trajetória de uma família, na medida em que, por meio dos efeitos das migrações, das perseguições e das guerras nessa família, podemos entender melhor a própria História.

Quanto à avaliação do livro pela capa, acho que tinha razão: o livro tenta parecer o que não é. Ele tenta parecer superficial quando, na verdade, é bastante profundo. Mas a moça da livraria tinha igualmente razão: a partir dos livros que eu escolhera, parecia que eu gostaria deste.

Não só gostei como, ao falar dele neste texto, realizo a profecia expressa na frase-teaser da primeira página do livro: “tire um objeto do bolso e o coloque diante de si. Você começa a contar uma história.”

Referência:

GREIMAS, A. J. Da imperfeição. Prefácio e tradução de Ana Claudia de Oliveira; apresentação de Paolo Fabri, Raúl Dorra e Eric Landowski. São Paulo: Hacker Editores, 2002.

Capa do livro “A lebre com olhos de âmbar”, de Edmund de Waal (Intrínseca, 2011). Fonte da imagem: Editora Intrínseca.

Este texto foi publicado originalmente no blog do Mestrado em Teoria Literária da Uniandrade.

--

--